• Davi Da Silva

Conselho para Jovens! #AgênciaCoyote

O investidor, empresário, autor (e muitos outros adjetivos) Tiago Reis publicou uma lista de conselhos para jovens que estão no mercado de trabalho. À primeira impressão pode ser de querer dar um check em cada item como se fossem parte de uma coleção adquirida no psicológico. Mas e se não forem objetivos, mas sim um processo? E se o goal for desafiar a sua jovem e imediatista mentalidade de querer alcançar “mais” e substituir por um conceito de “melhor”?

Ao olhar a lista abaixo e compará-la às expectativas de uma educação formal (adquirida numa universidade, por exemplo), penso que é tudo tão acessível quanto distante. Como? 

  1. Fale Inglês. De acordo com o levantamento da Organização British Council, somente 5% da população brasileira acima de 16 anos sabe se comunicar em inglês. Contudo, apenas 1% destes apresenta algum grau de fluência. O Brasil é o 41º colocado num ranking com 70 outros países, ficando abaixo de nações como Equador, Chile, Peru e México. A internet como canal de comunicação entre diferentes culturas precisa falar uma língua, que hoje é o inglês. Não somente em termos “técnicos” ou linguagem específica, mas para o aprendizado e inserção no que tá acontecendo no seu mercado ao redor do mundo. 

  2. Desenvolva a habilidade de falar em público. Não, não tem a ver com personalidade (ser introvertido ou extrovertido). É muito sobre ter o que falar e saber comunicar o seu conteúdo. Em certos aspectos, falar em público e falar ao público são habilidades que precisam ser desenvolvidas juntas. Numa geração digital, prova-se que atingir grupos não requer olho no olho (especialmente na quarentena). Ainda que pela câmera, é necessário aprender a comunicar o seu conteúdo de forma entendível para que haja a venda (literal ou não).

  3. Aprenda a vender. E falando em vendas... Certa vez ouvi a frase “Vendedor é a única profissão que existe.” Não pensei em todas as implicações, mas entendi que sim, todo profissional tenta vender algo a alguém. Seja um bem físico (forma mais comum), ou bem intelectual (um professor, por exemplo), ou o próprio tempo (um psicólogo). É necessário entender alguns segredos do comércio, de enxergar e atender a necessidade do consumidor. Ou até mesmo criar. Como?

  4. Aprenda a vender na internet. Perceba como os pontos se conectam. As pessoas têm aprendido a usar o mercado digital (que não é o exterminador do comércio físico). Mas a demanda existe e a internet te permite chegar mais longe, mais rápido. Durante a quarentena (que sim, vai mudar o e-comerce), as vendas de produtos de saúde aumentaram 125% (de acordo com a Compre&Confie). Há espaço não somente para serviços essenciais, mas também educação (cursos online – de inglês, por exemplo) ou alimentação. 

  5. Aprenda a escrever bem. Retórica e oratória andam juntas. Escrever bem não significa escrever muito ou díficil, mas escrever o suficiente (quantidade) de maneira efetiva (qualidade). Toda forma de propaganda é baseada no texto, até o visual. Saber escrever é utilizar palavras pra persuadir, explicar, comover e entreter o leitor. E no final, lucrar.

  6. Estude muito, mas não necessariamente pelas vias formais. O conhecimento, monetarizado ou gratuito, está disponível no mundo virtual. Apesar da educação online ainda apresentar barreiras quanto ao reconhecimento formal, na questão ser eficiente para aperfeiçoar habilidades não há o que discutir. E como o mercado – principalmente de marketing – está cada vez mais ligado às habilidades ao invés de certificados, não há tempo a perder. 

Há sempre o que aprender e sempre o que aprimorar. Da sua fluência no inglês aos seus conhecimentos de Marketing Digital. É um processo. Busque ser o melhor que pode ser dentro dos recursos que você tem, e não se acomode onde você está. Há sempre o que melhorar.

20 visualizações